17 janeiro 2014

A lei do Karma

Se eu der um murro a alguém a minha acção negativa reflectir-se-á, amadurecerá e virar-se-á contra mim numa tentativa de reestabelecer o equilíbrio que existia no universo antes da minha acção... do género, olho por olho, dente por dente... O budismo diz-nos que vivemos num continuum chamado Samsara que inclui, para além da nossa vida actual, todas as nossas vidas passadas e irá continuar no futuro por todas as nossas vidas futuras.

Neste continuum o Karma das nossas acções passadas amadurecerá e será a causa do que nos possa vir a acontecer nesta ou noutras vidas futuras: hoje, amanhã, durante do próximo ano ou a qualquer outra altura... Somos responsáveis pelo que nos possa vir a acontecer os arquitectos do nosso próprio destino. O budismo como religião e filosofia coloca-nos à mercê de nós próprios, retira-nos qualquer bengala, não nós dá um ser superior responsável pelo plano do nosso destino; um ser a quem possamos rezar para pedir misericordiosa ou presentear com oferendas... ...O nosso murro não vai ser julgado por um ser superior que irá ponderar as razões de tal acto, no Samsara o Karma do nosso murro será sempre o mesmo, independentemente das razões ou quaisquer outras ponderações que possamos imaginar para tentar equilibrar os pratos da balança da justiça divina.

Mas, continuemos a pensar no murro que, a esta altura, deve estar prestes a atingir a cara do indigente que resolveu cruzar o meu caminho e incendiar a minha irritação. Podemos pensar que este soco, que vai atingir em cheio o nariz deste totó, é em grande medida uma acção libertadora pois, irá amadurecer o Karma negativo de alguma acção passada e como tal, libertará este individuo de um enorme peso que transporta consigo - provavelmente já há muitas vidas. Verdade, sinto a energia libertadora do Karma a concentrar-se nos metacarpos mesmo na altura em que estou a esborrachar-lhe o nariz... Este murro, na realidade, transferiu o Karma negativo, dos ombros que quem agora se agarra ao nariz, para os meus e, como tal, posso contar no futuro, também, com um soco bem assente no nariz... como se este Karma negativo fosse eterno e estivéssemos condenados a passar o Samsara aos murros uns aos outros!

Como podemos então acabar com este ciclo negativo vicioso? Libertarmo-nos de todo o nosso Karma negativo? será suficiente?  A resposta é: libertarmos o Samsara de todo o Karma negativo! Mas, se eu não der este soco, como pode este ser libertar-se do Karma que transporta consigo pelo Samsara? Como podemos libertar o próprio Samsara desta energia? Esperar pacientemente que um qualquer poste ou pedra em queda livre se encarregue disso :-)

O Karma normalmente amadurece de forma bastante semelhante à acção que o causou, assim podemos esperar que, a um nariz partido corresponda, no futuro, uma consequência semelhante. Neste caso, libertar o Samsara deste peso negativo é simples pois, basta-nos esperar que alguém caia de nariz no chão... Mas se em vez que partirmos o nariz a alguém lhe partirmos o coração? se ferirmos alguém por dentro? O Karma destas acções é o mais difícil de apaziguar, assombra o Samsara por gerações e gerações... Não estou a dizer que seja eterno mas, de difícil extinção...


1 comentário:

josanne gonzaga disse...

Gostei do artigo. Parabéns